quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Jovem perde a visão e os rins após ingerir bebida perigosa na balada

FESTEJANDO COM AMIGOS


Uma jovem perdeu a visão e os rins após ingerir uma bebida adulterada em um balada na Grécia. O drink era uma mistura de vodca com metanol. As informações são do Aratu Online. 
Foto: Reprodução

Festejando com amigos em Zakynthos, na Grécia, em agosto de 2016, ela ingeriu, sem conhecimento, uma mistura de vodca com metanol (mais conhecido como álcool metílico). No dia seguinte, sentiu-se exausta e não parava de vomitar.

Os rins da jovem entraram em colapso e ela ficou céga, mas só percebeu que havia algo errado quando acordou no seu quarto de hotel achando que as luzes estavam apagadas. Pediu, então, que os amigos abrissem a cortina e eles responderam que já estava aberta, mas Hannah não percebeu, no momento, o que estava acontecendo.

“Eu pensei que eles estivessem brincando, então levantei para acender as luzes. Foi aí que eu comecei a entrar em pânico, porque foi quando percebi que as luzes estavam acesas e que eu não conseguia enxergar nada", disse a jovem à BBC.

A jovem foi levada para o hospital da ilha de Zakynthos antes de ser transferida para uma ilha maior, ainda na Grécia. Ela ficou tão confusa que achou que estava sendo sequestrada.

“Eu não entendia porque não conseguia enxergar. Eu pensei que fosse alguma coisa (tampando) meu olho ou na minha cabeça. Lembrava remotamente de falar com meu pai ao telefone”, disse à BBC. “Lembro de esconder meu telefone nas axilas, pensando que fossem tirá-lo de mim.”

Os exames feitos no hospital confirmaram que Hannah ingeriu metanol. Seus amigos beberam a mesma coisa e chegaram a passar mal, mas os sintomas passaram.

Exames feitos no hospital confirmaram que Hannah havia ingerido metanol. Haviam servido a ela, num bar, vodca falsificada, misturada à substância tóxica. “”Aparentemente, gangues fazem as vodcas clandestinamente e vendem aos bares por preços mais baratos. E os bares abastecem seu estoque com essas bebidas”, explicou.

TRATAMENTO E NOVA VIDA

Ela voltou para casa depois de três semanas. Na sua cidade natal, Middlesbrough, fez hemodiálise por 18 meses até receber um órgão doado pela mãe. No início, ela via tudo “completamente preto”, mas, depois de um tempo, começou a enxergar “muito embaçado”.

Passados três anos, ninguém foi responsabilizado pelo ocorrido. “Eu já não esperava que fossem punidos, mas acho que alguém deveria. Ou o bar sabia que tinha álcool manipulado ou alguém fez essa mistura. De qualquer forma, eu não tive nada a ver com isso. Eu nunca teria bebido se soubesse”, desabafou à publicação.