segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Ramon:Um jovem ciclista que aprendeu a não desistir dos seus sonhos



Com apenas 18 anos, Ramon Freitas Nascimento, parnaibano, já ganhou alguns campeonatos importantes dos quais ele participou. Andar de bicicleta começou meio por acaso, quando os primos o convidaram para pedalar. Foi algo que começou por diversão e que agora virou coisa de profissional.


“Primeiramente o incentivo partiu da parte dos amigos e primos. Fui tomando gosto pelo ciclismo. Alguns desistiram e eu continuei. Quando me convidaram para a primeira competição eu fui bem colocado, daí foi quando caiu a ficha e vi que era isso que eu queria”, explica o jovem.

Ramon faturou a primeira medalha no Piauí na fase final da etapa de 15 a 17 anos dos Jogos Escolares da Juventude, disputada em Natal, no Rio Grande do Norte, no ano passado.

De lá para cá ele vem alcançando resultados positivos, disputando sempre as primeiras colocações. O parnaibano almeja passos maiores em busca de um destaque como grande revelação. O atleta disse que nada seria possível se não tivesse persistência diante das dificuldades, por isso, “sejamos fiéis aos nossos sonhos, sem nunca desistir”, enfatizou.


Foi com determinação que Ramon Freitas se destacou na Copa Norte-Nordeste, que levou prata no contrarrelógio, na categoria Júnior, com tempo 6:05:745. “Uma medalha bem suada, porque cheguei bem em cima do horário da competição e estava um pouco cansado da viagem. Mas quanto maior for a dificuldade melhor é o sabor da vitória. Essa medalha foi no contrarrelógio, e isso foi fundamental para me motivar ainda mais”, comentou o ciclista.


Antes de se destacar no ciclismo, ele lutava taekwondo. O sonho de continuar competitivo é grande, mas pretende sim realizar outro sonho. “Eu quero fazer vestibular para o curso de educação física. Aqui ainda é muito difícil viver só do esporte. Temos muitos atletas bons, porém, não valorizados, nenhum tipo reconhecimento, além de faltar incentivo. Faço ciclismo por amor”, pontua o ciclista.

Hoje Ramon não tem patrocinadores, tudo é bancando pelos pais, amigos e também ele conta com a ajuda de alguns profissionais para ajuda-lo a melhorar o desempenho. “Conto com a ajuda, na minha preparação do fisioterapeuta Edmilson Ângelo, da nutricionista Laís Borges e a assessoria esportiva de “Getre consultoria esportiva”, e também com ajuda dos meus pais”, disse.

O ciclista finalizar a entrevista dizendo que cada disputa serve de experiência. "Qualquer conquista, seja ela grande ou pequena, nos traz alegria e nos faz crescer. É preciso sabedoria para batalhar por aquilo que se quer e reconhecer o que se conquista!" disse o atleta.

Por Camila Neto