quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Bebê espancada é transferida para Teresina; mãe vive em triângulo amoroso

SUSPEITOS DO CRIME FUGIRAM
A criança de um ano espancada na cidade de Parnaíba foi transferida para o Hospital de Urgência de Teresina nesta quarta-feira (30/10) onde deve receber atendimento para sua recuperação.

LEIA TAMBÉM

Ela estava internada no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde, em Parnaíba, e a mãe alegou que a criança havia caído, mas médicos suspeitaram de agressões e denunciaram o caso à policia.

A mulher fugiu junto com a sua companheira. As duas teriam um caso com um homem, num triângulo amoroso, e ele também não foi localizado.


As investigações da Polícia Civil continuam.
Sobre o caso

A suspeita é que a própria mãe tenha espancado a criança. 

Segundo matéria da TV Costa Norte, caso foi denunciado pela avó da menina, que percebeu que a neta apresentava várias marcas de agressão pelo corpo. A mulher chegou a pedir para a filha a guarda da criança, que foi negada.
Menina está internada em estado grave 

A mãe da criança disse que os machucados são recorrentes de uma queda, mas há hematomas e cortes por todo o corpo, inclusive com queimaduras de cigarro.

A mãe foi identificada como Fabrícia. Ela mora com uma companheira e as duas são suspeitas de envolvimento nos maus-tratos.
Mãe da criança 

As torturas contra a criança teriam acontecido várias vezes. Ela e a companheira saíram da casa onde moravam. Fabrícia está proibida de visitar a filha e a guarda da criança está com a avó.

"Eu estou com a guarda dela, eu tenho fé em Deus e em Nossa Senhora que a minha neta vai resistir, porque ela quer viver, está lutando pela vida, meu maior sonho é a minha neta viver, eu não estou aguentando, quando vi minha neta daquele jeito, não estou acreditando que aconteceu isso com minha neta", afirmou a avó desesperada.
Avó denunciou o caso e torce pela recuperação da menina 

De acordo com laudo médico do HEDA, a criança continua entubada e aguarda uma vaga para ser transferida para Teresina.

A polícia e o Conselho Tutelar acompanham o caso.

Veja o vídeo com Carlos Mesquita:



Fonte: 180 Graus