segunda-feira, 20 de abril de 2020

Caixa e Sebrae criam linha de crédito de R$ 7,5 bi para micro e pequenas empresas

    
A Caixa e o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) criaram uma linha de crédito para microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas. O banco espera oferecer R$ 7,5 bilhões por meio das operações.
De acordo com a Caixa, os empresários terão prazo de carência de até 12 meses para começar a pagar com taxas até 41% menores que as usuais do banco.
O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que a parceria com o Sebrae permitiu a redução da taxa de juros, assim como o aumento do número de parcelas, em meio à demanda por crédito causada pela crise do coronavírus. "Isso vem em um momento importante", disse.
O número ficou abaixo do esperado (nos bastidores, se falava em montantes de pelo menos R$ 12 bilhões). Segundo Guimarães, isso ocorreu porque o banco não tem intenção de perder dinheiro.
"As operações só serão realizadas se for pra Caixa ganhar dinheiro. Não faremos operações com subsídios para ninguém. Não há a mais leve possibilidade de a Caixa realizar qualquer operação que não seja sustentável", afirmou.
O microempreendedor individual poderá contratar até R$ 12,5 mil, com carência de 9 meses e prazo de amortização de 24 meses. A taxa de juros será de 1,59% ao mês.
Já as microempresas poderão contratar até R$ 75 mil, com carência de 12 meses e prazo de 30 meses. A taxa será de 1,39% ao mês.
As empresas de pequeno porte poderão contratar até R$ 125 mil, com carência de 12 meses e prazo de 36 meses. Os juros serão de 1,19% ao mês.
Conforme antecipou o jornal Folha de S.Paulo, a iniciativa foi possível graças a uma MP (medida provisória) do governo que cortou repasses a entidades do Sistema S e, no caso do Sebrae, fez recursos serem destinados a um fundo da própria entidade. A MP reforçou o caixa do Fampe (Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas).
O presidente do Sebrae, Carlos Melles, afirmou que é preciso melhorar o ambiente de crédito e que o tamanho do programa não é o bastante para atender a demanda existente. "Não é suficiente. Nem os nosso modelos [iniciais], de chegar a R$ 24 bilhões, eram suficientes", afirmou.
Melles diz que há negociações em andamento para ampliar o programa em parceria com outros bancos, como o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).