terça-feira, 30 de junho de 2020

Enfermeira não é aceita em condomínio por trabalhar em área covid-19 em Parnaíba

Há dois dias morando em residência cedida por uma amiga, a enfermeira D.A.V, 23 anos, foi surpreendida ao ser expulsa de seu condomínio em Parnaíba, após trabalhar com pacientes com covid-19. A enfermeira, que é recém-formada, não quis revelar sua identidade com medo de retaliação.
Leitos para pacientes covid-19 no Hospital Esdual Dirceu Arcoverde, em Parnaíba (PI)

A jovem conta ao portal Cidade Verde que morava no condomínio há seis meses, dividia o apartamento com outra amiga, e que nunca atrasou o aluguel. Ela tentou renovar o contrato, mas não foi aceito.

"Nunca tive problema de pagar o aluguel e tenho certeza que a síndica não vai me alugar porque estou trabalhando com pacientes com a covid-19. Pedi um tempo para encontrar outro lugar e ela só me deu um dia", contou a enfermeira.

INFORME PUBLICITÁRIO

Ela informou que trabalha 40 horas por dia no Heda (Hospital Estadual Dirceu Arcoverde), a família é do Ceará e que há cinco anos mora em Parnaíba.

"Fiquei muito triste, chateada. Acredito que é falta de empatia, vim para ajudar, claro que estou sendo remunerada, é meu trabalho, sou de outra cidade, isolei de minha família, estou adotando todos os cuidados e ela não se importou. É muita falta de solidariedade", disse.

A enfermeira disse ainda que está na casa de uma amiga enquanto resolver o problema da moradia. Ela disse que assumiu o aluguel e a sindica o tratou super bem.

"Foi outro tratamento, me sentir acolhida", disse. A enfermeira não quis revelar o nome do condomínio e disse que não iria acionar a justiça porque quer "sossego" para concentrar no seu trabalho.


Por Yala Sena/Cidade Verde